associação pythonbrasil[11] django zope/plone planet Início Logado como (Entrar)

Diferenças para "IntroPython"

Diferenças entre as versões de 23 e 24
Revisão 23e 2004-08-10 23:08:57
Tamanho: 13653
Editor: 200
Comentário:
Revisão 24e 2004-08-10 23:21:35
Tamanho: 13858
Comentário:
Deleções são marcadas assim. Adições são marcadas assim.
Linha 236: Linha 236:
Herança é um recurso poderoso da programação orientada a objetos que permite reutilizar o código de classes já definidas. Herança é um recurso poderoso da programação orientada a objetos que permite reutilizar o código de classes já definidas. O Python suporta herança multipla, ou seja, é possível criar uma nova classe a partir de várias outras (esse recurso deve ser usado com cuidado, pois isso dificulta a manuntenção)
Linha 242: Linha 242:
# definindo uma classe # definindo uma classe 'pai'
Linha 251: Linha 251:

# definindo uma classe 'filha'
Linha 265: Linha 267:
#class CDROM(CD):

Infelizmente ainda não está pronto, é um "vaporware" :( Mas você que domina Python pode ajudar a fazê-lo acontecer. Bom, por que mais um guia? Primeiro, os guias que estão no site são resumidos e falam apenas de poucos tópicos, falta um documento para realmente iniciar pessoas a linguagem Python, de forma efetiva. Um guia de introdução, ensinando a baixar e usar um pouco da linguagem, o "feijão com arroz" é um primeiro passo para termos mais gente envolvida e um trampolim para a pessoa buscar mais informações em outros tutorais. Eu pretendo escrever aqui este guia, mas que não seja o "guia do Rudá", espero que todos possam contribuir (inclusive se os autores de outros IntrosPython aqui permitirem, ripar o conteúdo e mover para este documento). Aliás, uma pequena crítica, não sou contra identificar o autor de um documento, é respeito ao autor, mas eu noto que não estamos "botando o dedo" no documento dos outros, alterando, contribuído, criticando, por mais que se tenha um autor de um documento definido, isto aqui é um Wiki! Vamos rabiscar, mexer, comentar! Não sejamos tímidos. :)

Guia de Introdução A Linguagem Python

Este é o Guia do PythonBrasil para uma rápida introdução a linguagem Python.

O que é Python?

Python é uma linguagem de programação. Em outras palavras, e sendo simples ao extremo, usamos Python para escrever software. Esta linguagem tem alguns pontos que a tornam especial:

  • É uma linguagem interpretada.
  • Não há pré-declaração de variáveis, e os tipos das variáveis são determinados dinamicamente.
  • O controle de bloco é feito apenas por indentação; não há delimitadores do tipo BEGIN e END ou { e }.
  • Oferece tipos de alto nível: strings, listas, tuplas, dicionários, arquivos, classes.
  • É orientada a objetos; aliás, em Python, tudo é um objeto.

Nas próximas seções estes aspectos são discutidos em detalhes.

* Retirado de: http://www.async.com.br/projects/python/pnp/node3.html

O que eu posso fazer com Python?

Um monte de coisas! Testar idéias de programação; automatizar tarefas repetitivas (manipulação de texto, cópia de arquivos, outras); criar programas em modo texto; programas em modo gráfico; programas que para a rede e a internet; etc.

O que eu não posso fazer com Python?

Poucas coisas. A primeira coisa que me vem à mente agora é criar um kernel a partir do zero. Acho que escrever programas "baixo nível" não é legal com Python, como drivers, ou coisas do gênero.

Por que eu deveria usar Python e não Perl, Java ou outra linguagem?

Python e Perl são linguagens com propósitos bastante parecidos. Uma vantagem do Python é a sua regularidade e facilidade de leitura (e se você já programou em Perl, sabe que isso é importante! Alguém tem/quer exemplos?).

Python e Java são linguagens bem diferentes, o que torna a comparação difícil ou sem signficado. Python sugere um desenvolvimento rápido, do tipo "editar-executar" (Python compila automaticamente quando executamos o programa). Já Java ("Já Java", hahaha) exige que o programador declare tipos, visibilidade de funções, separe cada classe (pública) em arquivos diferentes, e o desenvolvimento é do tipo "editar-compilar-executar" (ainda que o arquivo gerado tenha que ser interpretado...). Outra vantagem do Python que me vem à mente agora são suas estruturas de dados (p.ex.: listas e dicionários). Java usa classes para prover essas funcionalidades, mas geralmentes são necessários muito mais comandos (e casts) para obter o mesmo resultado.

Aonde eu adquiro o Python?

O site oficial é: [http://python.org]

Linux

Além da opção de ir ao site oficial, o Python geralmente já vem com o sistema ou a distribuição tem um pacote pronto pra instalar.

Depois que você "pegar" melhor a linguagem, experimente conhecer os módulos específicos para Linux.

Windows

No site ofical tem um instalador pra Windows que é muito simples! Nem parece que está instalando uma linguagem de programação...

Macintosh

(Usuários desse sistema, ou estão extintos, ou não conhecem esse site. Se você é um deles, faça o favor de testar o instalador do Python e dizer como é.)

Entendendo Python

Se você NUNCA programou antes, é necessário entender alguns conceitos básicos.

Por exemplo: você sabe o que é um "executável" certo? Experimente abrir um arquivo desses em algum editor de textos. A não ser que você tenha vivido anos na Matrix, não entenderá nada!

Isso acontece porque o programa está escrito, ali, em linguagem de máquina, ou seja, apesar de você não entender nada, o computador entende muito bem.

Mas não pense que alguém escreveu aquilo do jeito que está. Também não foi escrito ao estilo "morse" (10010010110)... inicialmente, o programador escreveu o que chamamos de "código-fonte" em alguma linguagem de programação, como C, Pascal ou Java, e, depois de terminado, compilou o código, ou seja, traduziu de C,Pascal ou Java para linguagem de máquina (também chamada de Assembly).

Essas linguagens que eu citei acima são as linguagens compiladas, pois antes de serem executadas, seus códigos-fonte devem ser devidamente compilados.

Python não é compilada, mas sim interpretada, assim como PHP, Perl e muitas outras, ou seja, não há o processo de compilação. O que acontece é que o código-fonte (ou script) é "traduzido" direto, através de um interpretador (imagine que ele é um intérprete mesmo, pois é assim que funciona!). Observação: Geralmente, quando uma linguagem é interpretada, existe um código intermediário (bytecode), com o qual o programador não precisa se preocupar. Seria muito lento interpretar diretamente o texto do código fonte. No caso do Python, o bytecode é salvo em arquivos .pyc e .pyo.

Tal fato adiciona muita produtividade à linguagem, já que o processo de programar é somente escrever-rodar, ao contrário de escrever-compilar-rodar. Veja que o ciclo dum programa interpretado é bem mais eficiente, pois a fase de testes é MUITO simplificada:

Python: escrever-testar-corrigir-escrever-testar-distribuir

C: escrever-compilar-testar-corrigir-compilar-testar-distribuir

Se você já tem um interpretador instalado em seu sistema, experimente escrever o seguinte script:

    print "Olá, mundo"
  • Depois, num terminal, digite "python nome_do_script", e veja como é simples!

Tipos de dados, constantes, variáveis e expressões

  • Python é dinamicamente tipado, o que significa que se você usou uma variável para armazenar um inteiro, nada lhe impede de usá-la posteriormente para armazenar uma string (frase). Na verdade, variáveis em Python não são declaradas, o que lhe dá muita flexibilidade. Quem determina o tipo de uma variável é o próprio interpretador. Se você escreve
    • x = 2 FRASE = 'Isso é um exemplo simples e bobo'
    O interpetador já sabe que x é um inteiro e FRASE é uma string. Mas isso não lhe impede de, posteriormente, escrever
    • x = 'agora tudo mudou' FRASE = 3.2
  • Como x já disse, tudo mudou, e isso é bem natural. Na verdade, raras são as vezes em que você precisa se preocupar com tipos. Geralmente você simplesmente atribui um valor a uma variável e pronto! Isso é bem simples. Então aqui vão alguns exemplos de tipos:

x = 2 #inteiro

p = 3.1415 #real, ou ponto flutuante

estringue = 'alguma frase' #string

lista = [3,4,5] #lista com elementos inteiros

lista2 = [2,'tres',4.0,[5,6]] #lista mista e aninhada

tupla1 = (1,2,3,'quatro') #isso se chama tupla. É como uma lista, mas não pode ser mudada

dic = {'site':'Python Brasil','url':'www.pythonbrasil.com.br'} # isso é um dicionário, que não passa de uma lista com qualquer tipo de indexador

Tipos simples (números, strings)

  • str
  • unicode
  • bool
  • float
  • int
  • long
  • complex
  • file
  • decimal (proposto, ainda não faz parte do Python)

Tipos agrupados (listas, tuplas, dicionários)

  • list
  • tuple
  • dict

Estuturas de controle

  • if...elif...else

Estruturas de iteração ou loop

  • for
    • Usando for: Se você programa em C, vai perceber que o for em Python é diferente. Ele itera sobre listas. Por exemplo:

metallica=['James','Kirk','Lars','Trujillo']

for membro in metallica:
   print membro
  • Ou seja, para cada elemento da lista, itere. Você terá acesso ao item corrente (print membro). Se quiser fazer iterações sobre progressões aritméticas, use a função range, que cria uma lista de inteiro em sequência. Exemplo:

for i in range(50):
   print i
  • Isso vai imprimir na tela os números de 0 a 49.
  • while

Tratamento de erros e exceções

  • try - except
  • try - finally

Módulos

Uma das características que me surpreendeu foi a facilidade de criar módulos simples. Por exemplo, se você quer criar um módulo chamado funcoesuteis, é só criar um arquivo chamado funcoesuteis.py no mesmo diretório do seu programa principal. Nesse arquivo, coloque todos os defs e classes que quiser. No programa que for usar esse módulo, é só colocar import funcoesuteis e usar as funções como funcoesuteis.funcao1(), funcoesuteis.funcao2(), etc. Se quiser poupar digitação, use a forma from funcoesuteis import funcao1, funcao2 e chame as funções diretamente: funcao1(), funcao2().

(Melhorar: exemplos mais completos, descrição menos concisa e mais fácil de seguir, talvez explicar packages).

Pequeno complemento:

Um módulo Python é como se fosse um pedaço de programa que você, como programador, decidiu que ficaria melhor separado do todo. Essa decisão geralmente é tomada sobre estruturas que são usadas em diversos programas. Isso facilita nossa vida, pois já não precisamos "copiar e colar" as coisas de um lado para outro. Claro, módulos podem ser mais complexos em certos pontos de vista. Eu mesmo não vejo nada de muita complexidade. Pura praticidade!

Classes

Criar uma classe em Python é muito simples. Acompanhe o exemplo:

class pessoa:
  def __init__(self):
    self.nome=""
    self.x=0
    self.y=0
  def andar(self,x,y):
    self.y=self.y+y
    self.x=self.x+x

eu = pessoa()
eu.nome="Cléber"
eu.andar(2,0)

A classe criada chama-se pessoa. Nela definimos duas funções. A função andar, sob um ponto de vista muito abstrato, faz "a pessoa andar", ou seja, altera os valores x e y de sua posição. Perceba que eu não declarei nenhuma das variáveis. Classes servem mesmo é pra criar métodos (agrupar funções), e não tanto para criar estruturas de variáveis (apesar de classes em Python serem ótimos containers). A função init() é especial: ela é chamada toda a vez que é criada uma nova instância da classe, por isso o nome init: ela inicializa o objeto, e é opcional. O argumento self é obrigatório, e deve ser o primeiro da função. Perceba que foi usado self na definição das variáveis. Isso quer dizer que o escopo das variáveis é a classe. Classes podem servir como os "struct" do C ou "record" do Pascal. Basta definir uma classe vazia, por exemplo:

class conteiner:

#E depois criar as variáveis dela "por fora",

conteiner.var="fácil, não?".
conteiner.num=1

Classes podem ser muito bem utilizadas, mas algumas vezes são péssimas opções. Assim como tudo em programação, saiba usá-las como parcimônia.

Exemplos, pra terminar:


class carro:
   def __init__(self,preco):
      self.marca="Ford"
      self.modelo="Maverick"
      self.ano=74
      self.cor=[0,200,50]
      self.pos=[0,0]
   def andar(x,y)
      self.pos[0]=self.pos[0]+x
      self.pos[1]=self.pos[1]+y

carango=carro(5000)   #passa o valor 5000 para __init__()

for i in range(300):
   carango.andar(1,0)  #o carro anda 300m


Herança

Herança é um recurso poderoso da programação orientada a objetos que permite reutilizar o código de classes já definidas. O Python suporta herança multipla, ou seja, é possível criar uma nova classe a partir de várias outras (esse recurso deve ser usado com cuidado, pois isso dificulta a manuntenção)

Exemplo:

# definindo uma classe 'pai'

class CD:

  def __init__(self, titulo):
    self.titulo = titulo

  def mudarTitulo(self, novoTitulo):
    self.titulo = novoTitulo

# definindo uma classe 'filha'

class CDAudio(CD):

  def __init__(self, titulo, autor):
    CD.__init__(self, titulo)
    self.autor = autor
    self.faixas = []

  def adicionarFaixa(self, numero, nome):
    self.faixas.append((numero, nome))

  def removerFaixa(self, numero, titulo):
    self.faixas.remove((numero, nome))

novoCD = CDAudio('Physical Graphitte', 'Led Zeppelin');

novoCD.adicionarFaixa(1,'Custard Pie')
novoCD.adicionarFaixa(2,'The Rover')

print dir(novoCD)
print "CD: %s, %s" % (novoCD.titulo, novoCD.autor)
print novoCD.faixas

Um exemplo Completo

Pretendo deixar um aplicativo de exemplo para sintetizar tudo. Uma idéia que me ocorreu agora é fazer um programinha gráfico (usando tk) de perguntas e repostas (quiz). Não sei se é confundir muito botar tk no meio, mas creio que se a pessoa entendeu o tutorial vai ser capaz de entender um pouco do código, mesmo porque com o quiz eu posso usar dicionários, listas, abrir/fechar arquivos (aka usar módulos), talvez usar classes e mostrar um exemplo prático que teoricamente rodaria em todas as plataformas.

(Sugestão: Coloca o programa sim! Assim o tutorial "cresce" junto com o leitor, em vez de ficar só no conhecimento básico - tem é que mergulhar fundo! Ao infinito e além!!)


RudaMoura